terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Curso Autoestima 007_Problemas - Opções de Melhora



Curso Autoestima

07_Problemas
Opções de Melhora


Um problema é, quando se apresenta, a sua oportunidade de dar seu máximo esforço.
Duke Ellington
(Músico, compositor e diretor estadunidense)


Todos temos vivido momentos onde parece que tudo são problemas, e já não queremos saber de nada nem de ninguém. Momentos onde verdadeiramente nos sentimos abatidos, desiludidos, frustrados ou dramaticamente zangados. Todas essas emoções são normais no gênero humano. Mas por que chegamos a nos sentir zangados ou frustrados ou deprimidos? Pois tenha plena certeza de que chegamos a nos sentir assim, porque alguém não cumpriu com nossas expectativas. Não realizou o trabalho que nós esperávamos, não nos deu essa mostra de ternura e carinho que pensamos merecer, nem nos deu a liberdade que queríamos, ou alguém nos pôs de lado. Até aqui, tudo parece indicar que como causa de nossa desavença teve “alguém”. Porém, lamento dizer que esse “alguém” não é outro além de você mesmo.

Veja, o mais interessante para analisarmos agora é que todas essas sensações debilitantes são fruto de nosso interior, de como vemos as coisas, de nossa forma muito particular de apreciar os fatos. Nós é que decidimos nos sentir mal diante de um problema. Acredite em mim ou não, é assim. Todos nós criamos um problema dentro de nossa mente quando alguém ou algo não se ajustou a nossos parâmetros de resultados. O problema, na realidade, não existe como tal, apenas nosso desacordo com as circunstâncias que se apresentaram e criam dimensão unicamente através de nós mesmos. Essa debilitante perspectiva dos atos (quando só vemos problemas) é que nos impossibilita de vermos as oportunidades que existem “atrás” de um aparente problema. Quero lhe afirmar algo: SEMPRE há uma oportunidade oculta atrás de algum problema, e o mais comum é: CRESCER.   
     

As adversidades são feitas para estimular
e para não remover o humor.
O espírito humano fortalece na luta.
- WILLIAM E. CHANNING Teólogo estadunidense)


Já faz alguns dias, tivemos um problema no escritório – embora eu tenha que informar que nós chamamos de “opção de melhora”. Decidimos confiar em alguém para a realização de certos projetos e esse alguém resultou ser um medíocre, um palhaço, irresponsável e ladrão. Quando percebemos que esse peculiar sujeito nos roubou uma soma muito importante em dinheiro, a primeira reação de nossa parte foi funesta (a nível de pensamento), mas alguns minutos depois do desagradável acontecido, graças à filosofia de uma Nova Consciência, encontramos uma enorme opção de melhora por trás deste “aparente” problema. O projeto que havíamos encarregado a esse alguém, acabamos fazendo nós mesmos. Resultado: uma considerável economia nas finanças e um dramático crescimento em nosso conhecimento e autoestima. A única coisa que posso comentar é que, apenas 48 horas depois deste aparente problema, surgiu um grande crescimento intelectual, econômico e moral em nós -  e confesso que muito especificamente em mim. Se não fosse por aquele “problema”, nunca teríamos dado conta do roubo ao qual estávamos sendo submetidos mês a mês. Se não fosse por aquele “problema”, nunca nos sentiríamos obrigados a aprender e dominar certas habilidades que hoje já adquirimos. O resultado é inegável: crescer e melhorar!

O prazer que é gerado ao se resolver um problema é a consequência lógica de descobrir a grande opção de melhora que existe nele, e assim, pôr as mãos à obra e agir de imediato para melhorar.
Esta é a razão pela qual sempre convido as pessoas a expulsarem de seu vocabulário a palavra “problema”, e quando necessitarem fazer alusão a ele, o nomeiem como “uma opção de melhora! Veja, agora você percebe, o que prefere que alguém diga: temos um problema, ou temos uma opção de melhora? Não é verdade que a sensação é totalmente diferente? No entanto, está se referindo à mesma coisa. Agradeça por ter “opções de melhora”. Estas “opções de melhora” são as que geram autênticos momentos par crescer. 

Pois bem, agora você já sabe que os “problemas” são oportunidades de crescimento ocultas, verdadeiras opções de melhora. Porém, precisamos aprender como os percebemos assim, como transformar nossa perspectiva para que sempre possamos observar mais além do que o evidente e possamos apreciar o que há por detrás. Você se interessa em saber como fazer isso? Eu suponho que sim, pelo simples fato de ter chegado até este ponto da leitura.  Compartilharei várias reflexões de crescimento interior para resolver qualquer “problema”, para optar pela melhora. Comecemos com as seguintes quatro premissas:

*Você é maior que seus problemas (inclusive frente aos problemas gigantescos).
*Você decide de onde olhar para o problema (fenômeno do enfoque).
*Você é o único que dá importância ao problema. O problema em si carece de todo valor e importância).
Você quem decide quais palavras vais usar para se referir a ele, e dessa maneira, o debilita ou fortalece.
Quando lhe digo que você é maior que seus problemas, estou lhe dizendo uma grande verdade. Só que você necessita é crer nisto – “perceber”, como tudo em sua vida. Sua autoestima deve ser tão grande que lhe permita apreciar esta inegável verdade. Eu repito: você é maior que seus problemas.
De fato, uma das terapias mais efetivas frente a um problema é, enquanto o percebe, repetir fortemente em seu interior: “Eu sou maior que este problema”. Faça isso uma e outra vez e sua mente começará a se abrir para dar espaço à percepção da oportunidade oculta que há por detrás deste problema. Faça a prova e constate o resultado. Se Deus, está com você, quem poderá estar contra, que seja maior que Ele? Veja por esta perspectiva e perceberá a força que nasce em você. Verá que nada poderá lhe deter.


Nas adversidades se manifesta a luz da virtude.
Aristóteles – Filósofo grego


Por outro lado, algo que amedronta muitas pessoas é “o tamanho” do problema. Tanto pode se tratar daquele garoto grandalhão que ameaçava o outro pequeno e débil na escola, como a grande magnitude de alguma discussão frente à sua pequena autoestima. O fenômeno é o mesmo: uma ilusão de ótica, já que o tamanho é sempre uma referência. Definitivamente não posso negar que aquilo que vemos maior nos impõe, impacta ou amedronta. Essa é a vantagem daqueles com um físico mais corpulento do que o resto da sociedade. Essa é a vantagem que levam os candidatos a algum cargo público, ao espalharem sua fotografia em tamanho gigantesco nos anúncios espetaculares nas ruas. Enfim, acredito ter sido claro ao explicar esse natural fenômeno psicológico. 

Quando nos sentimos pequenos, percebemos a desvantagem. Isso está claro. Porém, é o mesmo princípio, precisamos ter em conta que não há nada maior que nós quando somos parte da Criação Divina. Ademais, tudo é uma ilusão de ótica. Por exemplo, se pegar uma moeda (objeto pequeno) e a colocar na frente de seus olhos, precisamente a alguns poucos milímetros de distância, poderá perceber a moeda sendo gigantesca e inclusive, “não poderá ver outra coisa”. Mas se afasta essa moeda de seus olhos, pouco a pouco perceberá que ela “fica menor”. No entanto, é evidente que a moeda não diminuiu de tamanho, ela sempre conservou sua dimensão intrínseca, porém é igualmente certo que “você a vê” menor e assim, lhe diminui a importância. 

Você pode fazer exatamente o mesmo com seus problemas. Afaste-os (algo fácil de conseguir com o poder de sua mente enquanto pensa no problema) e você verá como ficam pequenos. Tenha em mente essa metáfora da moeda e pratique isso quando sentir algum problema “muito próximo” de você. Afastá-lo falando de outras coisas e empreendendo a ação para remediar qualquer questão. Quanto mais falar sobre o problema, mais ele se acercará de seus olhos. 


A tragédia está nos olhos de quem contempla,
não no coração de quem sobre.
Ralph Waldo Emerson – Poeta e ensaísta americano

Agora, como o dicionário define a palavra “importância”? Ele define como algo que importa, que é muito conveniente ou interessante, algo com grande dignidade e qualidade. Porém, esta definição nos produz uma reflexão inerente ao conceito. Algo conveniente ou interessante para quem? Algo com dignidade ou qualidade com respeito a que? Definitivamente a resposta é: você. O parâmetro de referência é você e com o dito parâmetro é você quem também confere importância a algo ou alguém. Eu recomendo que sempre tenha presente que nada nem ninguém tem importância, salvo a que você tenha decidido dar. Essa perspectiva é muito útil para poder perceber as opções de melhora dentro de um problema conjugal, em alguma desavença com seus sócios ou amigos, em algum rompimento com seu/sua companheiro (a), etc. Sempre há algo de bom no mal. Sempre. É apenas uma questão de tempo para que chegue a perceber isso. Quando passam os meses ou os anos, e você olha para trás, muito possivelmente dirá: “aquele problema que eu tive, foi o que de melhor aconteceu para que hoje eu esteja onde estou. ” Tenha fé nisso e diminua a importância daquilo que lhe debilita. Tudo está em sua capacidade de decisão para dar importância ou não. Esse poder habita em você. 


A adversidade depende menos dos males que sofremos do que da imaginação com a qual padecemos.
Fénelon – escritor francês


Por último, recomendo "amplissimamente" que tenha muito cuidado com as palavras que usa para se referir às suas dificuldades. Em mais de uma ocasião eu disse que as palavras conservam uma força emocional muito poderosa que podem debilitar ou fortalecer. Já lhe dei o exemplo de que a partir de hoje, com uma NOVA CONSCIÊNCIA, designa teus problemas como “opções de melhora”. Aqui compartilho mais alguns exemplos que o ajudarão a crescer:

Palavras Debilitantes:                       Nova Autoestima Fortalecedora:

tenho um problema                   tenho uma opção de melhora
estou me divorciando                estou voltando a ter paz e harmonia
estou desempregado                 estou pronto para trabalhar
estou frustrado                        aprendi como não se deve fazer
estou deprimido                                estou em busca da felicidade
estou envelhecendo                           estou adquirindo mais experiência e estou ficando mais interessante


Estou plenamente convencido de que as palavras que usamos são verdadeiras profecias auto cumpridas. Não importa qual use, inclusive não importa se as perceba ou não, de uma forma ou de outra, suas palavras sempre afetarão seu estado de humor. É como você se refere aos diversos eventos que acontecem em sua vida, quer dizer, as palavras que você usa para fazer referência a esses eventos, transformarão a percepção que tem dos mesmos; sempre afetarão seu estado de humor.


Na vida devemos nos dar conta de que não existe nada que possamos perder totalmente; insisto, nada existe como uma perda total. Sempre haverá algum lucro, algum crescimento. Sempre. 

Ainda que possa parecer difícil, lhe convido a, de maneira constante, você mantenha a visão global do universo. Por exemplo, um desempregado não precisa de um milagre para conseguir um trabalho, requer sintonizar com uma ordem divina que permita levá-lo para junto de quem necessita dele. Este exemplo me fascina. Permita-me repetir em outras palavras: uma pessoa desempregada        não necessita de trabalho, mas é necessário      perceber que alguém precisa dele, e focar sua mente para “servir”. Esse alguém que requer que nosso serviço sempre existe. Apenas necessitamos “remover a moeda de nosso olho”, já que não nos permite ver esse alguém. 
     
Toda desavença chega para partir. Sempre é assim. Lembre-se. Desta maneira, se você quer viver com uma NOVA CONSCIÊNCIA, as tragédias se converterão em bênçãos, as desvantagens em vantagens, os fracassos se transformarão em oportunidades e os desacordos serão acordos de Deus. Por isso, alta autoestima é uma forma poderosa de encontrar motivos para manter nossa emoção por existir.

JCF
Tradução: Adri Silveira                                                                             

Nenhum comentário:

Postar um comentário